sexta-feira, 18 de maio de 2018

Se ame e seja amor.
Se permita errar.


Steve McCurry
Bráulio Bessa
Milck - Devil Devil

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Nossas fraquezas, às vezes, nos servem
melhor que nossas qualidades.


Dr. Kreizler - The Alienist
Tindersticks - We Are Dreamers

quinta-feira, 3 de maio de 2018


Tudo o que o homem não conhece não existe para ele.
Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento.



Dhavebaj                                         
Carlos Bernardo González Peccotche 
Taron Egerton - I'm Still Standing

terça-feira, 1 de maio de 2018

Acredito em Jesus: que ele é não apenas o maior personagem da humanidade, mas que continua a sobreviver no ser que se sacrifica por seu próximo. Sou ignorante a respeito dos dogmas católicos. Talvez seja herético. Meu cristianismo é bruto. Não pratico os sacramentos, mas penso que a prece poderia ser considerada como uma ginástica que nos levaria cada vez mais perto do sobrenatural.


Hiromu Kira
Fellini
The Killers - Human

segunda-feira, 30 de abril de 2018


Contínuo sempre me inaugurando,
abrindo e fechando círculos de vida,
jogando-os de lado,
murchos,
cheios de passado.



Lauret Rosset
Clarice Lispector
Linkin Park - Castle of Glass

domingo, 29 de abril de 2018


Ouvi um barulho no portão, fui ver era a Lua Nova.



Foto: Pixabay
Nei Duclós
Imagine Dragons - Whatever It Takes

sábado, 28 de abril de 2018

Your Song

É um tanto engraçado, este sentimento aqui dentro
Eu não sou um daqueles, que conseguem facilmente esconder




terça-feira, 21 de novembro de 2017

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Foram-se os amores


que tive ou me tiveram:
partiram
num cortejo silencioso e iluminado.
O tempo me ensinou
a não acreditar demais na morte
nem desistir da vida: cultivo
alegrias num jardim
onde estamos eu, os sonhos idos,
os velhos amores e seus segredos.
E a esperança - que rebrilha
como pedrinhas de cor entre as raízes.

Lya Luft

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Surda

é a transparência
do mundo que ocupo,
onde vago, em vigilância do eterno,
livre do efêmero visível e tranquila,
e embora incomunicável, em solidão feliz.

Cecília Meireles

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Solte as feras!


me dizem. E, eu passo adiante, não como uma ordem, mas como uma senha capaz de nos tornar mais sinceros, de nos ajudar na procura de nós mesmos.
Solte as feras!, repito para me encorajar. Não sei bem como se faz, mas estou tentando. Abrir a porta de estalo e deixar todas elas soltas, nem pensar. Eu não aguentaria com elas, nem elas comigo. Preciso antes abrir devagar, por partes, para que possamos nos conhecer, eu e essas emoções que me compõem. Vou cortejá-las um pouco, procurar onde se escondem, medir sua força, descobrir ao certo sua importância. Elas têm certa pressa, eu sei, mas irei devagar. Como no surf, vou aprender a cavalgar suas ondas, a entrar no tubo e a sair inteira do outro lado, a descer do alto até chegar ao raso sem me esborrachar. E aos poucos mesmo, na medida do que eu tiver aprendido com elas, deixarei que engrossem suas espumas.
Sim, eu vou me destrancar, amorosamente me abrir. Vou dar passagem ao ódio, à raiva, ao medo, à insegurança. Porque o amor, o carinho e a ternura estão esperando por eles do lado luminoso da vida.

Marina Colasanti